CATEGORIAS

Recentes

Destaques

Menu de Navegação

SES capacita 150 profissionais de saúde sobre hanseníase


A Secretaria Estadual de Saúde (SES) firmou parceria com as Sociedades Brasileiras de Hansenologia e de Dermatologia com o objetivo de promover capacitação sobre hanseníase para médicos, enfermeiros e bioquímicos-farmacêuticos da 3ª Macrorregião de Saúde do Estado, que compreende 25 municípios das Gerência Regional de Saúde (Geres) de Serra Talhada, Afogados da Ingazeira e Arcoverde. Em 2016, foram registrados 69 casos de hanseníase nessas cidades. Neste primeiro semestre de 2017 já são 53. 

Na abertura da Ação Hanseníase Pernambuco, nesta segunda-feira (03.07), 150 inscritos participaram de uma aula teórica na Câmara dos Vereadores de Serra Talhada. O evento terá prosseguimento até a próxima sexta-feira (07), com a parte prática na UPAE do município. A meta é criar condições para estancar a transmissão da doença e suas complicações, por meio da detecção precoce, busca ativa de casos e do manejo de contatos, além de abordagens inovadoras para o treinamento, referência e manutenção de especialistas.

"A nossa meta é sensibilizar os profissionais de saúde envolvidos no atendimento à população no sentido de estarmos sempre alertas e vigilantes para a detecção precoce da doença", explica a gerente dos Programas de Tuberculose e Hanseníase da SES, Danyella Travassos. A doença provoca, principalmente, alterações de sensibilidade na pele. Com o tratamento precoce e correto, evita-se que o paciente transmita a enfermidade ou desenvolva formas graves da hanseníase, que pode deixar sequelas. Só no período de janeiro a abril deste ano, foram diagnosticados 564 casos em todo o Estado. Durante todo o ano passado, o número chegou a 1.850 e em 2015, 2.382 ocorrências. 

A capacitação é uma promoção da Gerência de Vigilância das Doenças Transmitidas por Microbactérias da SES e está sendo realizada pela Coordenação Estadual do Programa de Controle da Hanseníase. 

DOENÇA – A hanseníase é uma doença infecciosa transmitida pela pessoa doente para uma sadia pelo contínuo contato. Ela é transmitida pelo bacilo M. leprae, bactéria que ataca o sistema nervoso periférico e provoca alterações de sensibilidade ao frio/calor, ao tato e à dor. A doença, que pode ficar encubada por um período de 5 a 10 anos, também pode evoluir para perda de força muscular das mãos, pés e olhos.
 
O tratamento é gratuito, padronizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS), e baseia-se na poliquimioterapia. É realizada nos postos de saúde, necessitando que o paciente compareça à unidade uma vez por mês para tomar a medicação (dose supervisionada). O restante dos remédios o paciente toma em casa.
 
Apenas os casos mais graves e com complicações deverão ser atendidos em unidades de referência. O Hospital Otávio de Freitas (HOF), no bairro de Tejipió, Zona Oeste do Recife, e o Hospital Geral da Mirueira, em Paulista, são referências secundárias estaduais no atendimento aos pacientes de hanseníase em Pernambuco.
Banner

Posta Comentarios: