CATEGORIAS

Recentes

Destaques

Menu de Navegação

Conselho de Ética mantém arquivada acusação contra Aécio


De volta ao Senado, Aécio Neves (PSDB-MG) obteve mais uma vitória importante nesta quinta-feira: o Conselho de Ética recusou o recurso que pretendia desarquivar a representação contra ele na Casa. Por onze votos a quatro, foi mantida a decisão anterior, tomada pelo senador João Alberto (PMDB-MA), presidente do Conselho, que avaliou não existirem elementos suficientes para que Aécio fosse processado no Senado.

A representação, que havia sido apresentada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), se baseava na delação premiada do empresário Joesley Batista, do grupo JBS, e nas gravações de diálogos entre o empresário e o tucano, para sustentar que ele quebrou o decoro parlamentar. Se o Conselho concordasse com essa avaliação, ela seria submetida ao plenário, que poderia, até, cassar o mandato de Aécio.

Com a decisão desta quinta, portanto, o tucano deixa de responder a qualquer processo no âmbito do Senado, apesar de ainda ser alvo de inquérito judicial no Supremo Tribunal Federal (STF), tendo sido denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A representação que visava tirá-lo definitivamente do mandato ocorreu no último dia 18 de maio, após a deflagração da Operação Patmos, que prendeu a irmã e o primo do tucano, Andrea Neves e Frederico Pacheco, e resultou na suspensão do exercício parlamentar, por decisão do ministro Edson Fachin.

Após a redistribuição dos inquéritos, o novo relator, Marco Aurélio Mello, decidiu na sexta-feira devolver Aécio Neves ao mandato após 46 dias de afastamento. Na mesma semana, o primeira turma do STF, a qual Marco Aurélio faz parte, também decidiu conceder prisão domiciliar para Andrea Neves.

Mudou de ideia

Para protocolar um recurso junto ao Conselho de Ética, é obrigatório obter, ao menos, cinco assinaturas, número maior do que a quantidade de apoios que teve nesta quinta. O motivo foi a mudança de ideia do senador Pedro Chaves (PSC-MS), que apoiou a apelação mas acabou votando contra o próprio pedido, alegando mudança no cenário político e jurídico de Aécio.

Os outros quatro signatários do recurso seguiram votando a favor da reabertura do processo contra o tucano. Foram eles os senadores Lasier Martins (PSD-RS), José Pimentel (PT-CE), João Capiberibe (PSB-AP) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). Apesar de ter articulado a apelação ao Conselho, Randolfe Rodrigues não pode votar por não ser membro do órgão de fiscalização.
Banner

Posta Comentarios: