CATEGORIAS

Recentes

Destaques

Menu de Navegação

PT comemora prisão de Rocha Loures


A prisão do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) foi comemorada no 6º Congresso do PT, que termina neste sábado, em Brasília. Na avaliação dos petistas, a base aliada do governo vai "ruir" com a provável saída do PSDB da equipe e a crise política tende a se agravar a partir de agora, dando fôlego à campanha por Diretas Já para substituir o presidente Michel Temer.

Até ontem, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a cúpula do PT achavam que Temer poderia ganhar uma sobrevida porque estava sendo mais rápido na reação às denúncias contra ele do que a oposição no ataque para derrubá-lo. Mesmo Lula sendo réu na Lava Jato, o diagnóstico no PT agora é o de que o cenário piorou muito mais para Temer e a oposição pode tirar dividendos políticos da nova turbulência no Planalto.

"O governo acabou", disse o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP). "Até alguns dias atrás, o Planalto ficava contando voto para aprovar a reforma da Previdência e agora terá de contar voto para impedir o impeachment."

Os petistas estão convictos de que Rocha Loures fará uma delação premiada, embora Temer tenha dito duvidar dessa possibilidade. Após o acordo de colaboração firmado pela JBS com o Ministério Público, o deputado afastado foi flagrado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil de um executivo da empresa.

"As provas são robustas e, se Temer conseguir escapar esta semana, vai ser um milagre", afirmou o senador Humberto Costa (PT-PE). "A tendência é que aumente o número de partidos que vai se afastar do governo e, então, a base aliada será corroída. O governo está sob forte cerco político."

O PSDB paulista convocou para a próxima segunda-feira uma reunião ampliada para discutir a crise. Temer conversou ontem com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, na tentativa de impedir que o PSDB paulista puxe um movimento de desembarque do governo. Os tucanos comandam hoje quatro ministérios. Além disso na próxima terça-feira, dia 6, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retomará o julgamento que pode cassar a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer. O Planalto aposta em um pedido de "vista" de algum ministro do TSE para analisar o caso, o que pode retardar o desfecho do caso.

"Independentemente de o TSE concluir ou não esse julgamento agora, a simples revelação do voto do relator do processo (Herman Benjamin), que, ao que tudo indica, será pela cassação, produzirá um abalo maior ainda no governo", disse Humberto Costa. "Com isso, será muito difícil a economia se recuperar."

Para o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), a prisão de Rocha Loures "acelera" o movimento pela saída de Temer. "Prenderam o braço direito do presidente", afirmou Teixeira.
Banner

Posta Comentarios: