Menu de Navegação

Lula diz acreditar em volta de Dilma Rousseff ao poder: "Não há crime"


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparou as investigações da Operação Lava Jato contra ele com um "carrapato" e disse que "derrotar o impeachment da presidente afastada, hoje é mais fácil do que antes". Lula concedeu uma entrevista à Rádio Jornal de Pernambuco, em Petrolina, nesta terça-feira (12).

Para o ex-presidente, todo dia alguém diz que vai entregar o Lula, mas na realidade estão investigando há dois anos e não acharam nada. "Duvido que achem um empresário a quem pedi R$ 10", disse. Em tom irônico, o ex-presidente comparou o incomodo das investigações com uma coceira. "Já teve carrapato", brincou.

"Eu já fui prestar depoimento sobre viagens, medida provisória, sobre depoimento do Delcídio. Acho muitas das perguntas insólitas, mas eu não estou acima da lei, se eles acham que houve algum problema eles têm que investigar. Fiquei muito ofendido quando invadiram a minha casa, mas tudo bem", disse o ex-presidente.

Lula não escondeu otimismo quando falou sobre o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Para o petista ainda é possível reverter a situação. "Eu acho que hoje, para derrotar o impeachment é mais fácil. Antes você tinha a Câmara praticamente incontrolável. Depois você tinha a admissibilidade. Agora, a Dilma está dependendo de seis votos. Como não há um crime factível, comprovado cometido por ela, pressupõem-se que a decisão é eminentemente política".

Na avaliação do líder petista, a presidente afastada começou a perder seu apoio quando quebrou a promessa de não mexer no dinheiro do trabalhador. "Ninguém se conformou de Dilma ter dito durante a campanha que não ia mexer no bolso do trabalhador e depois ela ter colocado em prática um programa que era do adversário. Ela já tinha feito reuniões com os sindicatos, mas foi anunciado um pacote que jogou os sindicalistas contra ela".

"Dilma foi vítima de um mau humor que contaminou o Brasil desde 2013. Pegaram a presidenta numa situação de baixa popularidade e aí a maioria (de parlamentares) resolveu tirá-la, condenou Lula.

O ex-presidente Lula finalizou a entrevista dizendo que uma possível candidatura à Presidência em 2018 não deve ocorrer se o Brasil estiver dando certo. Para ele, o País está vivendo uma fase de pessimismo generalizado, mas ele ainda vê uma retomada sob o comando da presidente afastada.
Banner

Posta Comentarios: